quinta-feira, 12 de outubro de 2017

ENGENHEIRO DENTRO DE EMPRESAS PÚBLICAS POR MAIS DE 20 ANOS TENTANDO SER ÍNTEGRO?








DÁ PARA IMAGINAR:  ENGENHEIRO DENTRO DE EMPRESAS PÚBLICAS POR MAIS DE 20 ANOS TENTANDO SER ÍNTEGRO? Empresas Públicas tipo Petrobrás (ECONOMIA MISTA).

PRIMEIRA EMPRESA: Por mais de 16 anos na CEMAT/ENERSUL, em Campo grande, onde fui admitido em conversa direta, sem qualquer influência, POLÍTICA OU DE CONHECIDOS. Só permaneci, tendo em vista meu superior máximo em Campo Grande, Eng Dúlcio José Ferreira, já no início, durante o período de experiência, ter notado que eu seria DIFERENTE DOS DEMAIS, mas me tolerou por muito tempo. Não tenho nada de concreto de que ele tenha tido envolvimento em corrupções, mas na boca dos peões diziam que havia entre Ele e Diretores de uma Empreiteira, inclusive fui obrigado a ouvir de um dos trabalhadores dessa Empreiteira: “Enquanto você fica se preocupando tanto com a ENERSUL, os diretores da Empresa e os da Empreiteira, estão tomando uísque".
ÚNICA PROPINA QUE ME LEMBRO DE TER RECEBIDO: Em uma das minhas saídas para fiscalização de obras na região do Pantanal, a minha chefia imediata (ENGENHEIRO Oswaldo Heleno Sales de Oliveira) pediu para eu perguntar para o engenheiro da Empreiteira onde ele tinha adquirido a barraca que usava no Pantanal, porque queria adquirir uma, por ter gostado muito daquela específica. Fiz o solicitado e dei-lhe a resposta. Nas proximidades do Natal a secretária dessa empreiteira ligou-me solicitando o meu endereço para ser enviado um cartão de natal pessoal. De imediato e sem reflexão passei o endereço. Logo ao desligar o telefone e tendo meditado um pouco comentei com a chefia imediata (ENGENHEIRO Oswaldo): “Pelo que entendi, parece que a Empreiteira está querendo dar-me uma barraca”. Tendo ele respondido: “Pega! Pega! Pedro!”. Nas proximidades do Natal a minha esposa me liga: “Deixaram um pacotão aqui dizendo que era para você! Ao dizer que deveria ser engano ele mostrou-me um papel com seu nome certo e endereço, e já colocou para dentro”. ERA UMA BARRACA PARA CINCO PESSOAS (que a chefia deveria ter recebido também). Como nunca fui adepto de acampar, o ELEFANTE BRANCO ficou tomando espaço grande, se deteriorando e atrapalhando muito. Se foi PROPINA realmente, não sei, porque nada influenciou no meu modo de ser.
ÚNICA VEZ QUE NÃO ACATEI ORDEM SUPERIOR: Um grupo de Engenheiros (encabeçados pela minha chefia imediata ENGENHEIRO Oswaldo) e os Diretores do Rádio Clube acertaram desse grupo executar serviços de instalações elétricas e de iluminação no Clube (mão de obra e material da Enersul ou do Clube de Empregados da Empresa), em troca de TÍTULOS DO CLUBE. Como não vi com bons olhos, eu não me interessei em fazer parte. Como era de costume ao sair de férias, ele entregou-me suas funções juntamente com seus trabalhos em andamento (SEM NENHUM ACRÉSCIMO FINANCEIRO). Ao tentar ordenar-me que assumisse aqueles serviços alheios à empresa eu disse: ”Com tantos engenheiros envolvidos (EU NÃO ESTAVA), não poderia ser entregue a algum deles? Minha solicitação foi acatada. Passado algum tempo aconteceu algum rebuliço parecido com esses da Petrobrás, com publicações em jornais, etc, mas não fiquei sabendo de ninguém que tenha sido penalizado de alguma forma.
Não suportando o SISTEMA DE EMPRESA PÚBLICA, vendo em toda troca de governador, uma avalanche de NEPOTISMO e com os desafetos sendo pisados, eu resolvi conversar com a Empresa para entrar em um PDV. Inicialmente foi afirmado que o Diretor havia dito que “OS BONS FUNCIONÁRIOS NÃO SERIAM DEMITIDOS”. Como fui insistindo o NÍVEL FOI BAIXANDO, passando por: “Você não conhece algum político para te colocar no PDV?” No que respondi: “Não precisei de político para entrar, vou precisar para sair?”   

SEGUNDA EMPRESA: Após 16 anos longe de Empresa Pública, e estando no Estado de São Paulo, achei que era um Estado tecnicamente mais evoluído, inclusive a ADMISSÃO SERIA POR CONCURSO PÚBLICO, resolvi encarar mais um desafio, classificado na primeira colocação.

MINHA RECEPÇÃO: 1. De imediato a chefia imediata, ENGENHEIRO Dionísio, ordenou-me a execução de trabalhos utilizando a ferramenta da informática AutoCAD (NÃO EXIGIDA NO EDITAL), sendo que eu nunca tinha entrado no programa. Aprendi AutoCAD de forma AutoDIDÁTICA.
2. Fui abordado nos corredores do prédio pelo Sr. Maurílio, que vim a saber que era o segundo escalão em Itatiba, sem formação em engenharia, que me colocou em seu carro particular e levou-me para circular diversas instalações esparramadas pela cidade de Itatiba, e no final ordenou: “É para fazer os projetos elétricos de todas as instalações visitadas em 15 dias, SEM PLANTAS, SEM MEDIDAS, SEM CONHECIMENTO DAS INSTALAÇÕES EXISTENTES E SEM CARRO".
3. Fui abordado pela chefia superior à imediata ENGENHEIRO MAURÍCIO POLEZI que entregou-me um pacotão de memoriais descritivos e plantas de um Empreendimento Imobiliário: “Para análise e aprovação". Tendo-lhe dito: “Vou necessitar de algum tempo para descobrir se existem NORMAS DA SABESP para serem obedecidas e também se estão sendo respeitadas as NORMAS DA ABNT, tendo o mesmo replicado: “Dê apenas uma passada de olhos e ASSINA COMO ENGENHEIRO para poder cumprir o cronograma que já está atrasado”.
Isso foi apenas a recepção, dá para imaginar o restante.

EM UM COISA A EMPRESA DO MATO GROSSO SE MOSTROU MUITO, MUITO, MUITO SUPERIOR À DE SÃO PAULO: Havia preocupação no RESPEITO ÀS NORMAS, talvez seja pelo fato do CREA de lá impor mais respeito. 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

sábado, 2 de setembro de 2017

NO MEU ANIVERSÁRIO, GOSTARIA DE DAR-LHE UM PRESENTE.

Dia três de setembro é meu aniversário, e gostaria de dar-lhe um presente, se aceitar é só escolher e informar em minha postagem no facebook:


Foram colocados links abaixo dos títulos para fornecer alguma referência.

Serão enviados aos primeiros que se manifestarem interesse, até se esgotarem as quantidades disponíveis.

LIVRO 1: Inspiração em verso III da editora Futurama.   (11 VOLUMES)
http://pierredagama.blogspot.com.br/2017/07/o-dia-em-que-meu-mundo-desabou.html



LIVRO 2: Scortecci 35 anos. (07 VOLUMES)
https://pierredagama.blogspot.com.br/2017/08/tendo-em-vista-motivos-de-viagem-nao.html


LIVRO 3: Ondas Poéticas da Editora Darda. (07 VOLUMES)


LIVRO 4: O Feiticeiro das letras. (02 VOLUMES)


LIVRO 5: Palavras abraçadas da Editora Scortecci. (08 volumes)


LIVRO 6: Talento poético da Editora Becalete. (07 VOLUMES)



LIVRO 7: Livro de fotografias "Cidades em tons de cinza" da Editora Vivara. (07 VOLUMES)






quarta-feira, 30 de agosto de 2017

MEUS DIAS ERAM ASSIM


A VIDA NÃO ME DEU TEMPO PARA TER MEDO

Estando trabalhando no Estado do Mato Grosso do Sul, em empresa pública (enersul), há 15 anos, sendo que diziam que o Brasil estava em Democracia há uns 4, um colega (ENGENHEIRO Ricardo Petroni) com quem não tinha intimidades gritou por cima da divisória: “O jornal está dizendo que o Consulado de Portugal está recadastrando os portugueses residentes no estado e tem uma ficha para preencher” e forçou-me ir ver. Fui e de imediato recortei, preenchi e enviei. Passado alguns dias outro colega (Gilberto - ENGENHEIRO Sindicalista) que também não tinha muitas intimidades questionou mais de uma vez: “Para o quê era aquilo?”. Respondi que estava escrito ser do Consulado para os portugueses residentes no estado, onde me encaixava e mandei.
Numa das visitas de minha mãe à Campo Grande, levei-a para conhecer o Clube dos Portugueses (Estoril), onde tivemos contato com um dos seus diretores e ficamos conversando. Por algum motivo meu Documento de Identidade foi parar em suas mãos, e ao vê-lo teve um sobressalto e se embrenhou nas instalações com ele em posse. Ficando muito tempo sem retorno fui ficando estressado e dizendo a outros funcionários do Clube: “Levaram meu documento de identidade, eu preciso ir embora e preciso dele”. Depois de muito tempo e já bem estressado ele apareceu e devolveu-o.
Em outra ocasião percorrendo o Clube deparei-me com uma sala onde constava: CONSULADO DE PORTUGAL, e decidi tentar contatar o Cônsul para conversar sobre minhas origens (que deixei ao nascer sem questionarem se eu queria) e até aventar a possibilidade de retornar. Veio alguém que se identificou como Cônsul (apesar de não se portar como tal). E logo no início por algum motivo meu documento de identidade foi parar em suas mãos, e as coisas se repetiram: ao vê-lo teve um sobressalto e disse que ia se ausentar por instantes, com ele em posse. Depois de muito chá de cadeira ele retornou sem a sua posse. Já sem clima de conversa fui ficando estressado e dizendo tenho compromissos e preciso ir, eu preciso ir, por favor devolva-me meu documento. Depois de muito tempo e já bem estressado devolveu-me. O motivo de eu procurá-lo diluiu no ar.
No meu convívio social tinha um Coronel da FAB que vivia pegando no meu pé sempre direcionando a mim de forma irônica, e eu sempre levava na esportiva. Certo dia ele aparece com uma camiseta do clube dizendo direcionando a mim de forma irônica: “Esta camiseta foi presente dos meus amigos do clube português.” Mesmo estar sentido minha mente estranha por trabalho químico feito nesses convívios, AS COISAS FICARAM CLARAS EM MINHA MENTE: Esse militar deve ter dado meu nome ao Consulado para saber da minha situação, e recebido como resposta: “Não existe nenhum registro consular com esse nome.” Isso pode ter sido um prato cheio para sua imaginação, levando junto até um CONSULADO. Quando o Diretor do Clube e o Cônsul tiveram em sua frente o português que eles não conheciam (apesar de ser sócio do Clube), e investigado por militares, tiveram um sobressalto, que ficou maior ainda quando viram que esse português portava um documento de brasileiro (condição dada pelo REGIME MILITAR e motivo para não haver registro consular). Aí se apropriaram de meu documento à força para investigação até de sua veracidade.
Esses militares demostraram aquilo que muitos filmes mostram: Tirando suas forças os militares são devagar, porque local de denúncia de irregularidades com estrangeiros é na POLÍCIA FEDERAL. E essa pessoa que se identificou como Cônsul (de Cônsul não tinha nada) honrou o que os brasileiros dizem dos portugueses em suas piadas, ao se rebaixar ao nível desses militares (INCLUSIVE ME MANTENDO DETIDO DENTRO DO CONSULADO QUANDO VIU QUE EU PORTAVA UM DOCUMENTO DE BRASILEIRO, SE APOSSANDO DELE E LEVANDO ONDE BEM QUISESSE SEM PEDIR AUTORIZAÇÃO, semelhante a um DOI-CODI para Portugueses)...
E pensar que durante o REGIME MILITAR meu nome foi tratado com total respeito quando tramitado pelo DOPS (de S Paulo) e MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/POLÍCIA FEDERAL para obtenção de Documento de Identidade de Brasileiro. E, quando dizia haver Democracia, tratado como bandido pelo Cônsul do País de Nascimento, apenas por portar DOCUMENTO DE BRASILEIRO.


 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


RELÍQUIAS DE UMA VIDA...

 Vasculhando os objetos do passado deparei-me com meu RG/RE, que constava carteira de identidade definitiva para estrangeiro, emitida pelo DOPS (de São Paulo) em 1970 (Era Médici). Na fase de transição MÉDICE/GEISEL no comando da Nação Brasileira (1973/1974), eu (um jovem ESTUDANTE ESTRANGEIRO) solicitei a IGUALDADE DE DIREITOS CIVIS e impuseram uma condição para deferirem meu pedido: eu deveria também levar junto OS DIREITOS POLÍTICOS BRASILEIROS. Com esse documento obtive o TÍTULO DE ELEITOR BRASILEIRO, podendo votar e ser votado Com toda segurança frequentei escolas públicas até ingressar uma Faculdade, que como fazia parte de uma fundação que recebia verbas do governo, cobrava valor simbólico. Tendo uma vida preenchida diariamente com estudos e procura de alguma atividade, nem percebia que o Brasil vivia uma Ditadura Militar...

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

COISAS DE MILITARES

Formado  em engenharia fui construir vida profissional e família no Estado de Mato Grosso (Campo Grande), veio a divisão do estado e passados mais de dez anos preenchi as noites como Professor Universitário , quanto à família, dois Ginecologistas disseram que era impossível o casal gerar filhos e adotamos uma menina recém nascida, que com um mês a esposa veio a engravidar de um menino, que foram se tornando belas e inteligentes. Aí veio as Diretas Já, governos Collor, Itamar e FHC. Nesse período a minha família passou por situações que eram relatadas como atitudes ocorridas em uma “Ditadura Militar”. Através de dopagem química foram destruídos a vida profissional e a família. E usavam tudo aquilo que diziam da “Ditadura”, inclusive até fui tachado de comunista (havia muitos Militares envolvidos, especialmente o oficial da PM Arismar Antônio Derossi). Além dos Militares, também um Médico Homeopata, que era um dos expoentes do espiritismo. Tal médico forçou-me a ser seu paciente (mas sem cobrar dizendo que não cobrava de Irmãos), e também a levar-me para um Centro Espírita (situado na Rua marechal Rondon/Cândido Mariano). Nesse período em contato com o Centro serviu para eu sentir que a Doutrina era mais bela do eu já imaginava, mas também aumentar meu sentimento de que seus adeptos não seguiam os Postulados do Allan Kardec. Na situação em relação à Doutrina em que se encontrava ele poderia visualizar qual seria seu final, tendo em vistas seus atos, E NÃO FOI DIFERENTE...
Fiquei tentando descobrir de onde tinham tirado esse negócio de tachar-me de comunista, e só encontrei uma explicação: logo que iniciei minhas atividades na Empresa Pública, fui forçado por elemento da chefia superior à imediata (Eng Carlos Nakao), que sempre pareceu-me ser de EXTREMA DIREITA a ter atividades profissionais com um ex-Eng da Empresa, que vim a saber por bocas dos peões que era Comunista, Eng Ricardo Augusto Bacha (se ele realmente é, até hoje não sei).


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


FOI APENAS UM SONHO DE ANIVERSÁRIO

Formei-me em Engenharia Elétrica e fui trabalhar e constituir família no Estado de Mato Grosso, que logo em seguida foi dividido e recebeu o “do Sul”. Na assinatura do processo de Divisão tive o prazer de ver ao vivo e a cores o Presidente do Brasil Geisel (o único que vi ao vivo). Apesar de pelas fotos ele ter apresentado ser muito duro, pessoalmente ele transmitiu simpatia. Além dele vi ao vivo, em Campo Grande, mais um Chefe de Estado: o Papa, que passou rapidamente engaiolado no PAPA-MÓVEL, não me transmitindo a mesma simpatia anterior, mas o aparato de segurança que pude observar era bem maior.

Passado algum tempo eu comecei a ouvir e ler grandes atos de ignorância praticados durante esse Regime Militar. Mas eu não conseguia encaixá-los em minha vida, tanto que eu não conheci ninguém de minha convivência que tivesse passado por um mínimo do que era exposto. Inclusive, naquela época, minha alma aquecia ao ouvir a música do Don e Ravel: “As praias do Brasil ensolaradas...” (além de ensolaradas podiam ser usufruídas com segurança total).

Veio a tão exaltada liberdade de voto para Presidente e disseram ter sido implantada a DEMOCRACIA. Nesse novo período eu passei por uma situação que comecei a exclamar: “Mas isso é o que dizem que acontecia no Regime Militar!” Sendo até tachado de Comunista (sem nem saber bem o que era isso), apesar de ter sido sempre uma pessoa espiritualizada. FATOS OCORRIDOS ANTES DA ERA PT. Só que não contentaram em ficar em uma pessoa apenas, foi para toda a família, incluindo duas crianças e dois fetos. Fiquei tentando vislumbrar de onde tiraram esse negócio de comunista e cheguei a conclusão de que só poderia ser por eu ter tido alguns pequenos contatos trabalhistas com uma pessoa, que vim a saber pela boca dos peões que era comunista, se é realmente até hoje eu não sei: Engenheiro Ricardo Augusto Bacha, que por sinal, DE TODOS OS CONTATOS PROFISSIONAIS QUE TIVE NO ESTADO, foi o único que conseguiu transmitir-me ser de integridade moral total.

Passaram-se uns 41 anos (de 1974 a 2015) onde eu até esqueci que não era brasileiro (tendo em vista terem-me dado, no Regime Militar, a Igualdade de Direitos Civis e Políticos com todos os brasileiros). E comecei a sonhar em ir comemorar o meu aniversário de 63 anos no local onde nasci (e deixei com onze meses). Como durante todo esse tempo eu vivi como brasileiro, inclusive SENDO OBRIGADO a colocar meus votos nas urnas, fui solicitar o Passaporte Comum Brasileiro, mas foi negado e informado que eu deveria procurar o Consulado de Portugal para emissão do Passaporte Português. Como eu tinha deixado de viver como um português foram-me solicitados, entre outros, a certidão de casamento de INTEIRO TEOR, RNE (quando na minha época era apenas RE), providenciar o Cartão de Cidadão Português e a seguir emitir o Passaporte. Além de ter de pagar em torno de R$800,00 só pela transcrição do casamento, tive que deslocar-me 400 Km até S. J. do Rio Preto para solicitar a Certidão de Inteiro Teor e retornar (400 km de ida e 400 de volta) em cinco dias úteis para pegá-la. Meu sonho de comemorar o aniversário onde nasci foi para os ares... como estava impedido de ir para meu país de nascimento fui comemorá-lo onde me receberiam e fui conhecer a belíssima Buenos Aires (Argentina). 

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

AS PESSOAS DO BEM NÃO ACREDITAM NAS BARBARIDADES RELATADAS COMO PRATICADAS PELO SER HUMANO... EU ERA ASSIM ATÉ TER PASSADO PELOS RELATOS ACIMA... E AGORA ACHO QUE SÃO LEVES DEMAIS OS RELATOS DE SADISMOS PRATICADOS POR MILITARES, E NÃO É NECESSÁRIO SER EM ESTADO AUTORITÁRIO...






MEUS DIAS ERAM ASSIM: 
                    DURANTE O REGIME MILITAR, um estudante estrangeiro tive o nome tratado com total respeito quando tramitado pelo DOPS (de São Paulo) e Ministério da Justiça pra conseguir o DOCUMENTO DE IDENTIDADE DE BRASILEIRO, e presenteado com os DIREITOS POLÍTICOS BRASILEIROS.
                 QUANDO DIZIAM HAVER DEMOCRACIA:  Tendo trabalhado durante 15 anos como Engenheiro em Empresa Pública Brasileira, como um bandido pelo Cônsul do meu país de nascimento, apenas por estar portando DOCUMENTO DE BRASILEIRO.
                     Na entrada e circulação, inclusive em hotéis, o DOCUMENTO foi aceito sem dúvida ou questionamentos, como substituto do Passaporte, em países sul americanos.
                   

NESTE TEXTO NÃO EXISTE NENHUMA INTENÇÃO DE POLÍTICA OU IDEOLOGIA, SÃO APENAS VERDADES, OCORRIDAS DENTRO DO MEU UNIVERSO, PODENDO ATÉ PARECEREM NUAS E CRUAS.

LINKS COMPLEMENTARES:

MEUS TRABALHOS E EMPREGOS: 
RELÍQUIAS DE UMA VIDA:http://pierredagama.blogspot.com.br/2015/09/reliquias-de-uma-vida.html

MINHAS CIDADES:

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

POR QUE O VÍCIO NÃO COLA EM MIM? Sou uma aberração?




Na infância fui criado dentro de um balcão de bar, vendendo cigarros e bebidas, no meio de viciados, e não me tornei um deles. (inclusive nunca fumei)

Na adolescência, como estudante, convivi  numa mesma pensão com colegas usuários de maconha, e não me tornei um deles. (nunca provei qualquer droga ilícita de forma ESPONTÂNEA)

No trabalho, na parte COM CARTEIRA ASSINADA, sempre vivi em Empresas Públicas, no meio de corruptos, mas não me tornei um deles...


Nos meus anos quarenta, a  vida levou-me a um breve convívio com homens que se intitulavam combatentes de vícios, mas fumando feito uma chaminé e adeptos de Whisky, e mesmo utilizando química em minha mente, não conseguiram me fazer um deles. (apesar de nessa época ser forçado a beber além do pouquíssimo que estava habituado, nunca provei Whisky)

NA MODERNIDADE: O meu celular é o menor possível e é apenas para telefone... Até hoje nem sei o que é ESSA COISA DE POKEMON e nem WhatsApp...

Nunca gostei de CARNAVAIS por isso nunca cheirei lança-perfume e NEM USEI MÁSCARASnos ambientes carnavalescos em que me encontrava...

Seria uma questão de ESCOLHAS? Parece que não porque o mais óbvio seria escolher ser normal nas situações em que me encontrava. Parece ser algo que se encontra em meu DNA. Seria uma ABERRAÇÃO? Seria essa aberração o motivo dos praticantes do kardexismo me atacarem, DESDE A INFÂNCIA, e mesmo assim não me modificarem?

Com isso passei uma vida inteira ouvindo: você é careta... você não vive, vegeta... você precisa passar por psicólogo para se encaixar nos vícios de seu grupo... Mas, SÓ DEUS SABE, o quanto eu me esforcei para ser uma pessoa normal dentro do grupo em que a vida me colocava, mas UMA FORÇA MUITO FORTE IMPEDIA...





quinta-feira, 17 de agosto de 2017

PRESSÃO





MEU POEMA PUBLICADO:
Pressão
          (Pierre da Gama)

Pressão! Pressão! Pressão!
Ah! Meu Deus! Quanta pressão!
Pressão! Pressão! Pressão!
Ah! Meu Deus! Quanta pressão!

Com tanta pressão,
sinto uma panela o meu crâneo.
Sem válvula e sem controle,
pronto a explodir em ebulição.

Já nasci sob muita pressão.
Para laborar, enriquecer... cresci sob pressão.
Só na praia, ao nível do mar,
não senti nenhuma pressão.

Com pressão na vida diária,
compressão no metrô e no lotação,
com o preção dos alimentos e remédios,
com opressão de uma repressão...

Pressão de baixo, pressão de cima,
sofrendo pressão por todos os lados,
para constante transformação.
Transformação do quê?

Derramas, diretas já, impeachment...
fui para as ruas sob muita pressão.
Se mudou, de que nada mudou
tive a impressão.

Com tanta pressão,
ainda me colocam sob pressão
de controlar a do coração!
Como, meu irmão?

Pressão! Pressão! Pressão!
Ah! Meu Deus! Quanta pressão!
Pressão! Pressão! Pressão!
Ah! Meu Deus! Quanta pressão!

Com tanta pressão,
sinto-me uma tênue impressão,
em uma folha qualquer,
vagando ao léu, sem pressão...



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SALADA DE MOEDAS (UMA VIAGEM, QUATRO MOEDAS)

Nasci Português... mas imediatamente colocaram-me para percorrer o mundo...
VIAGEM, DE ÔNIBUS, PELOS ANDES E PELO DESERTO DE ATACAMA


O Euro só entrou na viagem por utilizar sobra de câmbio feito em novembro de 2016, para Portugal. E foi levado em quantia superior a dos reais.

ROTEIROS

Rota 1. Itatiba a São Paulo.



Rota 2. São Paulo a Santiago (Chile). Cortando as Cordilheiras dos Andes na divisa Argentina/Chile.



Rota 3. Santiago a San Pedro de Atacama. Acompanhando a costa do Oceano Pacífico.



Rota 4. San Pedro de Atacama a Salta. Cortando a s Cordilheiras dos Andes na fronteira Chile/Argentina.



Rota 5. Salta a Puerto Iguazú.



Rota 6. Foz do Iguaçu a São Paulo.



Rota 7. Igual à rota 1 no sentido oposto.



SURPRESAS DA VIAGEM

1. Tendo chegado a Santiago já dentro da noite, deixamos o hotel e entramos no primeiro restaurante/lanchonete que encontramos e que tinha um nome bem curioso: LA PICA DE CLINTON.



E a minha esposa começou a achar o nome engraçado e relacionar com um caso do ex-Presidente com uma estagiária. No que comentei que essa pica não deveria ter o sentido que ela pensava e que, com certeza, tinha sido autorizado a utilização da imagem pessoal. E não é que eu tinha razão:
"Em abril de 1998, o então presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, foi ao Chile para a II Cúpula das Américas. Durante uma visita ao centro da cidade de Santiago, ele surpreendeu a todos ao quebrar o protocolo e desviar sua trajetória para um pequeno bar na Calle San Antonio. Ele entrou no San Remo – Bar, Restaurant e Fuente de Soda, encostou  no balcão e pediu uma Coca-Cola Light. Servido e refrescado, posou para dezenas de fotos."
http://guiadoscuriosos.uol.com.br/blog/2016/11/09/la-pica-de-clinton-lamenta-vitoria-de-trump-foi-um-balde-de-agua-fria



2. Em nosso último dia em Santiago (dia 5/8) tivemos a surpresa de passar, na região central, por onde estava iniciando um desfile de associações folclóricas, para comemoração do aniversário da independência da Bolívia (dia 6/8), onde desfilaram mais de 30 grupos, mostrando que ainda há fraternidade entre alguns países da América do Sul.





3. Logo em nossa chegada em Santiago fomos abordado, na rodoviária, de surpresa por uma mulher bem vestida e bem encarada que foi dizendo: "Vocês são brasileiros?" e mais algumas coisas que não entendi direito, mas dei uma resposta rude, e ela se retirou meio brava. A minha esposa até reclamou da minha atitude dizendo que ela queria nos alertar de que tinham muitos abordando turistas para furtar seus pertences, inclusive tendo sido solicitada por um policial que estava um pouco além, para nos alertar. No que respondi para a esposa: "Se é assim ela teve a resposta que ela iria nos orientar para dar ao ser abordado."
Em outra ocasião, ao dirigir-me para comprar passagem de Santiago para San Pedro de Atacama, ao colocar o dinheiro para pagar, a vendedora puxou-o rapidamente e foi dizendo: "CUIDADO!"
Estando já meio preocupado e desconfiado da região em que iríamos, imaginando ser pouco habitado e de pouca segurança, essas ocorrências só fizeram aumentar muito mais.
MAS QUE GRANDE SURPRESA! Encontramos uma cidade pequena e rústica realmente, com muita gente circulando dia e noite, numa verdadeira comunidade fraterna de todos os idiomas. Apesar de sua pequena dimensão eu percebi mais de 10 casas de câmbio, sem qualquer aparato de segurança aparente, onde os cambistas faziam a troca tirando um pacotão de dinheiro na moeda solicitada em cima de uma mesa rústica. E com os turistas circulando e conferindo o dinheiro no meio das ruelas.



4.
4. Estando em San pedro de Atacama, resolvemos fazer a volta através de Foz do Iguaçu, mas o ônibus iria apenas até Salta. Foi aí que ficamos sabendo da existência dessa cidade, e fui pesquisar alguma coisa a respeito dela, e descobri que era considera uma das cinco melhores do mundo para se viver, segundo a BBC.

5. No cruzamento da fronteira Argentina/Brasil na volta, em Puerto Iguazú, ao apresentar o passaporte de brasileira, a minha esposa recebeu questionamentos como: "De onde você está vindo?", etc. E eu , ao apresentar um PASSAPORTE DA COMUNIDADE EUROPÉIA, não tive nenhum questionamento tendo recebido o carimbo de imediato. (E pensar que eu só solicitei Passaporte Português ao ter sido-me negado o Brasileiro, sendo que sempre vivi como brasileiro por 63 anos (apenas nasci em Portugal) e inclusive sendo obrigado a votar desde os 22 anos...


6. Sempre que eu retornava de viagens no Brasil, onde eu era o motorista, até mesmo de curtas durações, eu ia aferir a pressão e constava sensível aumento da normalidade. Depois desta viagem de aproximadamente 10.000 km, de ônibus, ao aferir fui questionado de forma apreensiva: VOCÊ TEM PRESSÃO BAIXA? (9x6).





terça-feira, 25 de julho de 2017

NO DIA DO ESCRITOR, O MUNDO RECEBEU-ME ASSIM...

Após ter uma vida inteira encarcerada pela mente polarizada pelos números, a minha alma foi liberta e aflorou, em um belo amanhecer, o que ela sempre foi: humana (uma alma de poeta no cerne do DNA). Hoje pela minha janela só vejo a beleza divina encarcerando e ofuscando toda a pseudo beleza reluzente dos metais nobres... (Pierre da Gama)



Olhando pela minha janela, os tempos em que estive com a mente polarizada nas exatas, eu me vejo assim... até com um cigarro na mão, apesar de nunca ter fumado...